quinta-feira, 28 de maio de 2009

Tiririca do brejo eu sou...

Cena 1: Eu, chegando de plantão de manhã e me descabelando ao perceber que cachorrinha Lua está com ferida-sem-pêlo-coçando-sangrando no "cotovelo".

Cena2: Eu, descontrolada, perguntando (incomodando) toda a gente ao meu alcance que tem cachorro o que faço, não querendo gastar 40 matinhos no veterinário.

Cena 3: Eu, toda descabelada no quintal usando técnicas de imobilização de jiu jitsu na filhote de labrador de 2 meses que tem a força de um pitbul adulto (exagerada?) pra passar iodo e violeta de sei-lá-alguma-coisa-que-não-lembro-o-resto na ferida.

Cena final: Eu, sentada na grama, com um cocô imenso próximo a mim, completamente exausta, sem forças, mais descabelada ainda, toda suja de violeta de tananã e labradora mordendo meus joelhos... GAME OVER!


Definitivamente NÃO SOU MAIS FLOR DO CAMPO...

3 comentários:

Blog do Óbvio disse...

Estela, apenas dei uma olhada corrida no seu blog e adorei. Me chamou a atenção você querer "salvar o mundo". Eu também tenho essa idéia. Fui ver seu perfil... é aquariana, entendi... eu também sou (31 de janeiro). A propósito de salvar o mundo ví num livrinho da Madre Teresa de Calcutá, algo que me tranquilizou. Disse ela:"Eu não me dedico às multidões, mas a uma pessoa em particular. Começo com uma pessoa. Depois, se puder, dedico-me a outra pessoa. Se olhasse para a multidão, desanimaria e nunca começaria".
E olha que essa baixinha corajosa tem prática, né?
Bem, espero que você consiga aos poucos amenizar e alegrar o nosso mundão.
Não vou seguir seu blog, vou perseguí-lo.
Beijocas pro cê, criançada, toda família. Manoel.

Blog do Óbvio disse...

Estela, agora vou comentar...
Sabe que você tem razão? A situação parece cômica, mas é bem real. Para o labrador você estava apenas brincando com ele. Às vezes deveríamos fazer como o labrador. Em vez de nos preocuparmos e deglutirmos todas essas notícias sobre violência, impunidade e outros, o melhor é nos posicionarmos conforme nossa natureza humana. Simplesmente viver e abominar as aberrações dos modismos. Fomo criados para que?!
O labrador sabe a lição de casa dêle e eu (ser racional) não sei fazer a minha!!! Um dia eu aprendo.
Um abraço. Manoel.

Flavia Mãe do Arthur Christian disse...

Eu vou ser mais especifica que os amigos acima...kkk...

Vc conhece alguem querendo dar um cãozinho filhote de porte grande para uma pobre criança que ama animais e gosta de fazer eles de cavalinho...a minha gata sofreeeee...